Ir para o conteúdo

Uma comitiva de empresários de Mato Grosso ligados a Federação Mato-grossense das Indústrias (Fiemt) participaram do Diálogo da Indústria com os Pré-Candidatos à Presidência da República, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília, na quarta-feira (29). A programação integra o Encontro Nacional da Indústria (Enai).

Os quatro pré-candidatos a presidência da República foram convidados para discutir as demandas do setor no médio e longo prazo.

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PL) compareceu ao evento também como pré-candidato à reeleição, bem como Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB). O ex-presidente Lula (PT) declinou do convite e não foi ao local.

Conforme o vice-presidente da Fiemt e presidente do Fórum Nacional das Atividades de Base Florestal (FNBF), Frank Rogieri de Souza Almeida, o debate tratou de questões macro da indústria, que exigem política de Estado com metas não apenas para uma gestão, mas a médio e longo prazo.

Dentre os pontos abordados foi a recriação do Ministério da Indústria, a necessidade de uma reforma tributária, revisão dos encargos sobre a folha de pagamento que onera as indústrias e impede que novos empregos sejam gerados, além de mais investimentos em inovação para que as indústrias brasileiras tenham condições de competitividade ante as indústrias asiáticas.

“A oferta de linhas de crédito como há para o agronegócio também é uma das reivindicações. Ontem foi lançado o Plano Safra com juros que giram de 4,5% a 12%. A indústria não dispõe de linhas de créditos e os juros são de 20% quando tem acesso. Também pretendemos corrigir essa disparidade”, comentou.

Ele destaca ainda que no setor madeireiro, a situação é ainda mais grave com zero linha de crédito para um setor competitivo e que mantém a floresta de pé.

Por fim, Frank avaliou como positivo o debate promovido pela CNI, pois expôs aos pré-candidatos à presidente a situação do setor, as demandas e onde se pretende melhorar.